Será mesmo que para construirmos uma relação de casal saudável e feliz não podemos brigar?

05.13.2016

 

 

Os casais, hoje, não buscam um psicólogo só quando estão nas vias de separação, mais informados sobre nossa função e o quanto podemos ajudar, nos procuram porque querem mais qualidade na vida a dois.

Uma queixa comum entre os casais são as brigas, por isso, normalmente, ao iniciar um processo terapêutico eles têm a expectativa de alcançar o extremo: não brigar mais. Este pedido não poderia ser diferente, já que a compulsão por brigas leva a desgastes, mal-estar e afastamento; mas será que é possível nunca brigar? Será que esta é a solução de fato? Ou será que é preciso apenas saber brigar?

Embora as brigas estejam associadas ao desamor, ataque, sentimentos negativos, elas não são de todo ruim, são uma forma de mostrar opinião, individualidade, potencial, uma forma de se fazer conhecer, são úteis para que os parceiros identifiquem os conflitos e para que reconheçam os limites de tolerância. Não brigar ou evitar sempre as brigas pode ser tão ruim quanto brigar por qualquer coisa. Se evitá-las não é a solução, o jeito é aprender a brigar. Inclusive, este aprendizado pode ser um passo contra ações de violência, pois numa briga construtiva tem-se o controle sobre os sentimentos violentos.  

A primeira coisa, para ter uma briga leal e com habilidade, é tomar consciência da sua responsabilidade no desfecho. Na maioria das vezes, a pessoa se vê como refém e não percebe que é atuante na sua história, responsável por desencadear este momento na vida do casal. Reconhecer sua contribuição e responsabilidade na briga, permitirá avaliar e acompanhar as mudanças decorrentes deste processo. A segunda coisa é saber que existem diferentes tipos de brigas, e algumas delas são inúteis. O que isso significa? Que você vai brigar sem alcançar resultados e evoluções, vai desperdiçar tempo e energia. São exemplos, as brigas repetitivas, elas acontecem sempre da mesma forma e o casal não reconhece o que está por traz delas; outro exemplo são as insolúveis, a briga não vai auxiliar a chegar numa solução porque o que a motiva é algo que não depende dos dois. Portanto, perguntar antes de iniciar uma briga o PRA QUE começá-la, o que está me incomodando e o que espero do outro nesta situação, possibilita fazer uma autoavaliação e evitar um desentendimento desnecessário. O terceiro aprendizado para brigar com qualidade é COMO brigar, alguns cuidados aqui podem fazer diferença. Vamos conhecê-los: não usar violência física; evitar acusações e focar na expressão de sentimentos (“eu me sinto...”); concentrar num assunto, pois trazer outras questões que já aconteceram impede o casal lidar com o tema presente; para uma briga funcional é preciso focar no agora, sem desenterrar questões do passado; saber o tempo de falar e de ouvir. Enfim, se fugir das brigas não é a solução, vale desenvolver habilidades para brigar com mais qualidade e construir uma relação mais saudável e feliz.

 

Please reload

Posts em Destaque

Profissões: o que escolho? Como me decido? A escolha da profissão em 2 etapas

March 11, 2015

1/2
Please reload

Posts Recentes

02.11.2019

08.09.2018

Please reload

Buscar por Tags

Please reload

Arquivo

Siga no Facebbok

  • Facebook Basic Square

Contato

Fale comigo!

AGENDAMENTO  

 

 Pelo site, pelo Whats, por ligação ou e-mail

41 9 8872-0414

nerisangelica@gmail.com

ONDE ESTOU?

Rua XV de Novembro, 1899

Campo Largo - Centro. 

PAGAMENTOS 

Dinheiro, cheque, transferência bancária. 

Não atendo planos de saúde. 

HORÁRIO

Horário de funcionamento: 

segunda à sexta

ACESSIBILIDADE 

Próximo ao terminal de ônibus 

Clínica com  estacionamento privativo 

  • Preto Ícone Instagram
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon