Depressão atinge 8% das crianças, segundo OMS

05.16.2018

 

25/04/2018 / AGCOMUNIQUE

Kelvin Morais Bomfim 

 

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que, no mundo, o índice de crianças entre 6 e 12 anos diagnosticadas com depressão saltou de 4,5% para 8% na última década. Para a medicina, a depressão infantil é uma patologia relativamente nova. Foi somente nos anos 1970 que passou a ser reconhecida na literatura. Antes disso, os casos eram considerados raríssimos ou inexistentes e até mesmo ignorados.

Adultos e crianças com depressão podem apresentar diversos sintomas, entre eles: alteração no sono, no humor, no ânimo, cansaço, exaustão, esgotamento físico e mental, alteração no apetite (comer demais ou perder o apetite), atenção, memória, concentração. Pode haver um sentimento de desesperança, crises de choro, níveis baixos de autoestima e autoconfiança, sentimento de tristeza e sentimentos negativos são constantes. Pode aparecer comportamento de isolamento, negligência, descuido com a aparência, uso de álcool e drogas, pensamentos de morte ou suicídio.

Em crianças esses sintomas podem aparecer na fase dos 2 aos 7 anos de idade acompanhados de choro frequente e total desinteresse por brincadeiras das quais antes gostavam. A partir dos sete anos até a adolescência apresentam-se aborrecidas, tristes constantemente, retraídas, desatentas, inseguras. A psicóloga afirma que “uma criança com depressão vai alterar sua forma de se relacionar com a família, com a escola e poderá ter alteração no seu rendimento escolar”.

Geralmente, a depressão é confundida com tristeza. Esta pode acometer as pessoas por alguns dias e elas, normalmente, melhoram, voltando a sua rotina normalmente. Já a depressão interfere de forma significativa na vida da pessoa, trazendo vários prejuízos e pode até ser fatal. De acordo com a ONU, a depressão é um transtorno mental comum, caracterizado por tristeza persistente e perda de interesse por atividades de que as pessoas normalmente gostam, acompanhadas por uma incapacidade de realizar atividades diárias por 14 dias ou mais.

Além disso, a depressão é cada vez mais comum entre os jovens. Segundo a psicóloga Angélica Neris, “é importante tomar consciência disso, pois por muito tempo a criança foi vista como não tendo maturidade emocional suficiente para sofrer de depressão. E hoje alguns estudos mostram que a depressão pode atingir todas as idades”.

A família e a escola têm papel fundamental na identificação da doença. São elas que muitas vezes percebem os sintomas antes mesmo que o deprimido tome consciência disso, principalmente nos casos infantis. “O papel delas é tratar a criança com seriedade e respeito para que  possa ser conduzida a um acompanhamento adequado. É fundamental não tratar a criança como fraca, desocupada, desvalorizar ou desqualificar como ela se sente, ou dizer a ela que isso é só coisa da sua cabeça”, afirmou Angélica Neris.

A identificação da doença pode ser algo difícil pois seu diagnóstico não é simples e deve ser feito clinicamente. A psicóloga comenta que o processo de identificação é feito com a observação dos sintomas e pela frequência com que eles permanecem. Embora muito já tenha sido feito para melhorar a informação sobre a doença, ainda há muito preconceito e desinformação.

Please reload

Posts em Destaque

Profissões: o que escolho? Como me decido? A escolha da profissão em 2 etapas

March 11, 2015

1/2
Please reload

Posts Recentes

02.11.2019

08.09.2018

Please reload

Buscar por Tags

Please reload

Arquivo

Siga no Facebbok

  • Facebook Basic Square

Contato

Fale comigo!

AGENDAMENTO  

 

 Pelo site, pelo Whats, por ligação ou e-mail

41 9 8872-0414

nerisangelica@gmail.com

ONDE ESTOU?

Rua XV de Novembro, 1899

Campo Largo - Centro. 

PAGAMENTOS 

Dinheiro, cheque, transferência bancária. 

Não atendo planos de saúde. 

HORÁRIO

Horário de funcionamento: 

segunda à sexta

ACESSIBILIDADE 

Próximo ao terminal de ônibus 

Clínica com  estacionamento privativo 

  • Preto Ícone Instagram
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon